top of page
Barletta

Efeitos protetores dos fitonutrientes para a saúde:

Atualizado: 4 de jul. de 2022

CURCUMINA


Curcumina propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e de modulação imunológica.
Propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e de modulação imunológica.

A curcumina é o fenol natural mais abundante presente no curry indiano (amplamente utilizado na culinária e na preservação de alimentos no sul da Ásia) e no açafrão, dando a eles a cor amarela característica. No Brasil, o pó de cúrcuma, muito utilizado em receitas naturais, é obtido a partir dos rizomas da planta Cúrcuma longa, também conhecida como Açafrão da Terra.


Devido às suas várias propriedades medicinais, a cúrcuma é usada na medicina ayurvédica no tratamento de doenças de pele, doenças respiratórias e gastrointestinais, distúrbios hepáticos, entorse musculares, dores nas articulações e cicatrização de feridas. Nas últimas décadas a curcumina tem sido estudada para avaliar suas propriedades antioxidantes, anti-inflamatórias e de modulação imunológica.


Como antioxidantes, os compostos curcuminóides ajudam a manter o sistema cardiovascular saudável, melhorando a viscosidade do sangue e reduzindo a formação das placas nas artérias, que obstruem a circulação sanguínea adequada. Estudos recentes mostram que a curcumina ajuda a manter os níveis de colesterol, reduzindo os níveis de colesterol de baixa densidade (LDL) e triglicerídeos (1*). Além disso, pode reverter a resistência à insulina nos estágios iniciais do diabetes, apoiando a ação de alguns medicamentos antidiabéticos prescritos.


Ao agir como um eliminador de radicais livres, a curcumina pode prevenir danos oxidativos no DNA. Esse dano ao DNA celular é reconhecido por dar início ao câncer, convertendo uma célula normal em uma célula cancerosa. As propriedades anticancerígenas da curcumina incluem vários mecanismos celulares como redução no crescimento de células cancerígenas; início da apoptose (morte das células cancerígenas); inibição das enzimas metaloproteinases da matriz de digestão de colágeno (MMP) e prevenção da angiogênese.


Pela apoptose, a curcumina pode eliminar seletivamente as células cancerígenas formadas nos sistemas orgânicos. Além disso, a curcumina demonstra ações muito semelhantes às drogas anticancerígenas recentemente desenvolvidas, como Herceptin, Humira, Avastin, entre outras, que têm efeitos colaterais perigosos a curto e longo prazo (*2). Embora esses medicamentos sejam imunossupressores, a curcumina possui propriedades potentes de modulador imunológico, podendo ativar os glóbulos brancos (leucócitos ou “células policiais”) e outras células naturais que ajudam no combate a infecções.


Foi estudada a eficácia da combinação de curcumina, quercetina, resveratrol e outros compostos naturais derivados de plantas em células de melanoma (câncer de pele - *3). Essa mistura específica teve efeitos anticancerígenos significativos, inibindo o crescimento de células cancerígenas em 80% e bloqueando completamente as enzimas MMP, responsáveis ​​pelo crescimento e disseminação do câncer. Essa combinação também induziu apoptose em células de melanoma. O número de células mortas também aumentou com doses maiores da mistura.


Outro aspecto muito pesquisado da curcumina é seu potencial anti-inflamatório. A curcumina ajuda a reduzir inflamações regulando marcadores inflamatórios, como enzimas ciclooxigenases (COX) e citocinas. Os inibidores da enzima COX-2 são os anti-inflamatórios não esteróides (AINEs) mais frequentemente prescritos para o alívio sintomático da dor artrítica. No entanto, ensaios clínicos provaram que o uso de suplementação de curcumina é tão eficaz na redução dos sintomas da artrite quanto o de outros analgésicos AINEs, como o ibuprofeno. Além disso, possivelmente, a curcumina reduz a degradação da cartilagem, que é responsável por articulações dolorosas.


Devido à sua capacidade única de atravessar a barreira hematoencefálica (um mecanismo de proteção regulador ao redor do cérebro), a curcumina está sendo estudada extensivamente em muitos tipos de demência, incluindo a doença de Alzheimer. Foi demonstrado que em sinergia com a vitamina D ela pode reduzir as placas amiloides características da doença de Alzheimer.


Com suas múltiplas ações em benefício da saúde, a curcumina é bem mais do que um “tempero culinário" e deve ser incluída em nosso alimentação diária.


 

Referências


(*1). Yi-Sun Yang, et ai., Phytoth Res, Vol 28:12, p. 1770–1777, (2014)

(*2). Aggarwal BB et ai., Adv Exp Med Biol. 2007;595:1-75.

(*3). MW Roomi et al., Anais da 102ª Reunião Anual da AACR, Vol 52, Resumo nº 1503, p.361


 

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page