top of page
Barletta

Comer para ter Saúde!

Atualizado: 23 de ago. de 2023

Como COZINHAR ajuda a promover a Saúde Física e Mental?


A silhueta azul de uma cabeça humana mostrando o cérebro como um quebra cabeça.
Cozinhar é um ato revolucionário em favor da saúde da família.

A saúde começa no nível celular, entre as trilhões de células que compõem o corpo humano. Para manter ou recuperá-la é importante aprender a se nutrir através da alimentação consciente.
A comida que ingerimos deve fornecer micronutrientes (vitaminas, minerais e aminoácidos) necessários para um ótimo funcionamento físico e mental. Quando isso não acontece as células adoecem, depois adoecem os órgãos e por último o organismo como um todo.
Cozinhar e cuidar da alimentação são os primeiros passos para quem deseja ter saúde...

Família cozinhando
Comer bem é difícil. Também é difícil ficar doente. Qual "difícil" você vai escolher?

Ao contrário da forte sensação de fome que obriga uma pessoa a procurar comida a todo custo, a deficiência de micronutrientes não provoca sinais claros de alerta como “me alimente ou eu morro”.


Nossa pressa e falta de cuidados com o corpo, bem como nosso analfabetismo sobre saúde preventiva e natural, tem nos tornado inaptos para perceber a falta de micronutrientes em nosso próprio organismo, motivo pelo qual a maioria de nós é diagnosticado tardiamente com uma carência crônica de micronutrientes.


O principal objetivo de "comer para ter saúde" é ingerir a quantidade ideal de vitaminas, minerais e aminoácidos através da alimentação para evitar a carência de nutrientes e as diversas queixas sobre problemas de saúde que nos afligem: diabetes tipo 2, hipertensão, fadiga e cansaço, problemas cardiovasculares, dores e inflamações, entre vários outros distúrbios que se originam por consequência da má alimentação e da desnutrição silenciosa que se estabelece ao longo da vida.


Nesse sentido, é importante aprender técnicas de cozimento que causem menos perdas de nutrientes, preservando o teor nutricional da comida que preparamos em casa.



Sintomas da falta de Saúde

mãe ensinando filhos a cozinhar
Crianças amam aprender a cozinhar!

O bem-estar físico também pode ser definido como o “ótimo funcionamento de todos os sistemas do corpo” (por exemplo, sistemas cardiovascular, imunológico, musculoesquelético, endócrino, nervoso, reprodutivo, digestivo e pulmonar).


Uma vida sem saúde geralmente é caracterizada por um desequilíbrio energético e bioquímico que muitas vezes é atribuído a um estilo de vida pouco saudável (alimentação desequilibrada, sedentarismo, estresse, intoxicação e exposição a poluentes, entre outros fatores).


Uma perturbação da homeostase energética (*NT) do corpo pode manifestar-se através de numerosos sintomas como apatia, lentidão, problemas de pele, cansaço frequente, má visão, irritabilidade, atrofias e suscetibilidade a infecções comuns, entre outros sintomas. (*NT) Homeostase: Na Biologia pode ser entendida como o estado de condições internas (físicas e químicas) constantes mantidas pelos sistemas vivos.



O que é cozinhar?

pais ensinado filha a cozinhar
Cozinhar em família pode ser um ato educativo e prazeroso.

Há muitas definições sobre o que seja cozinhar.

Segundo Mia Couto (escritor e biólogo moçambicano) cozinhar é um ato de amor.


Para Ana Célia Gurgel Aguiar (nutricionista brasileira) cozinhar "é o ato mais subversivo que alguém pode praticar, uma vez que através dele abrimos a mente, os olhos e o coração para ganhar a compreensão de que preparar o próprio alimento é a atitude mais libertadora e arrojada contra as armadilhas da indústria alimentícia. Cozinhar aproxima as pessoas da comunidade a qual estão inseridas, fortalecendo-a, uma vez que se passa a utilizar produtores locais para abastecer a despensa e, claro, salvaguardar sua saúde!"


Numa definição mais técnica, conforme alguns dicionários, cozinhar é “o processo ou atividade de preparar alimentos para comer”. Abrange ferver, escaldar, assar, fritar, torrar, grelhar, refogar e assim por diante. Contudo, ao revisarmos nosso modo de cozinhar à procura das melhores técnicas para preservar as propriedades nutricionais dos alimentos, percebemos que determinados processos de cozimento podem ser prejudiciais à saúde.


Por outro lado, embora a preparação de alimentos possa levar à perda de nutrientes, em alguns casos também pode melhorar sua absorção, biodisponibilidade e digestão, como é o caso do demolho e cozimento do feijão.



Cozimento e digestibilidade

pai ensinando a filha a cozinhar
Uma excelente atividade para promover integração e interação entre pais e filhos é passar tempo juntos preparando refeições...


Os alimentos que se beneficiam do cozimento incluem vegetais ricos em proteínas. Demolhar e cozinhar o feijão, por exemplo, serve para diminuir fatores antinutricionais presentes em leguminosas (feijões, soja, lentilhas, grão-de-bico), como o fitato que inibe a absorção de minerais como o cálcio, ferro e zinco.

O calor, seja do cozimento ou da germinação, contribui para a destruição dos antinutrientes.


Os antinutrientes estão presentes em alguns alimentos como grãos, sementes de cereais e leguminosas. É muito importante saber como livrar determinados alimentos dos antinutrientes antes de preparar as refeições.


Um exemplo clássico são os gases causados pelo consumo do feijão que não foi demolhado corretamente antes de ser cozido. Para evitar esse problema deixe o feijão (e demais leguminosas como ervilha, grão de bico e lentilha) de molho por um período de 12 horas, lavando e trocando a água pelo menos uma vez durante esse tempo.

No dia seguinte, troque a água mais uma vez e coloque para cozinhar sem tampar a panela. Espere levantar fervura e retire a espuma. Acrescente temperos, tampe a panela e termine o cozimento pelo tempo necessário.


Efeito do calor sobre os minerais
familia aprendendo a cozinhar
Enquanto a sala de TV aliena, a cozinha aproxima e a sala de jantar reúne a família.

O cozimento não está necessariamente ligado à perda total dos nutrientes. Enquanto a alta temperatura pode afetar as vitaminas, não leva à perda dos minerais presentes em alguns alimentos. No entanto, é desejável comer frutas e vegetais folhosos crus, ou, cozinhá-los o mínimo possível.

A perda de vitaminas depende de vários fatores, desde a solubilidade em água, exposição ao ar, luz, ambientes ácidos e alcalinos, armazenamento e exposição ao calor, entre outros fatores.


Conclusão

Ao ler essas informações talvez você exclame: nossa, quanta coisa para aprender! E agora?


Agora talvez seja hora de pensar sobre quanto tempo desperdiçamos na vida aprendendo sobre inutilidades enquanto os ensinamentos essenciais foram suprimidos de nosso aprendizado. Momento de rever as agendas que mantém as pessoas alheias à educação sobre saúde, bem estar e autonomia produtiva.


As vitaminas cujas deficiências são mais preocupantes são:

Vitamina A, D, E (solúveis em gordura), tiamina-B1, riboflavina-B2, niacina-B3, folato-B9 e cobalamina-B12, (solúveis em água). Para evitar a perda de vitaminas ao cozinhar, recomenda-se o consumo de alimentos frescos e vegetais folhosos cozidos no vapor. Além disso, deve-se evitar o descascamento dos vegetais e tempos de cozimento prolongados.


  • Em geral o cozimento, com exceção do vapor, causa perda de vitamina C. O cozimento prolongado pode causar a perda de vitamina C entre 15% e 55% (1).

  • A tiamina é influenciada por temperaturas acima de 100°C, enquanto o calor não leva à perda de riboflavina-B2 e biotina-B7.

  • As vitaminas D, E, K (solúveis em óleo) e B12 (solúveis em água) não são afetadas pelo calor.

  • Niacina-B3 e folato-B9 são destruídas em altas temperaturas.


Aprender sobre como os nutrientes podem ser melhor aproveitados no preparo e cozimento leva algum tempo, contudo, será tempo ganho e não perdido. Algumas dicas:

  1. A sabedoria na cozinha advém da transmissão de conhecimento ancestral, do convívio com pessoas que gostam de cozinhar e da prática. A consciência de que cozinhar é fundamental para ter saúde ajuda a iniciar essa deliciosa jornada...

  2. Incluir pratos com alimentos crus (frutas, vegetais e legumes) é uma ótima opção para garantir uma melhor absorção de micronutrientes.

  3. É difícil ter uma boa alimentação, mas também é difícil ficar doente. Qual difícil você vai escolher?

  4. Dar preferência aos orgânicos é um gesto que só pode ser priorizado quando compreendemos que alimentos provindos da agricultura convencional são pobres em micronutrientes, carregando ainda muitos pesticidas (leia artigos sobre esse assunto aqui: Onde estão os nutrientes? - Por que os ALIMENTOS NATURAIS estão perdendo nutrientes? - Os efeitos prejudiciais dos herbicidas - Conheça a diferença entre Permacultura, Agroecológico, Agrofloresta e Orgânico ).

  5. As vitaminas que são afetadas pelo calor são consequentemente afetadas por vários métodos de cozimento. O cozimento no vapor pode ser uma solução, bem como evitar cozinhar por muito tempo. Muitos alimentos preservam mais as propriedades nutricionais quando são apenas amornados ou cozidos "al dente", ponto em que estão levemente macios, mas, apresentam uma certa resistência quando são mordidos.

  6. Invista tempo em educação sobre saúde. Ajude seus filhos a receberem desde cedo a experiência que o dinheiro não trará...

  7. Frequente mais a cozinha e faça da mesa um lugar de prazer e alegria para você e toda a sua família!


Fonte: CeliaPenny Moses-Nagbiku (ROHP / RNCP, MS, BSc)

Praticante de Saúde Ortomolecular - Educadora de Nutrição / Geneticista - Fundação CeliaPenny para a prevenção da desnutrição na África


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------



Referências:

(1) Rath, M (2014). A Declaração de Barletta, página 11. Fazendo da Saúde Preventiva Natural um Direito Humano. Barleta, 2014.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------


Comentarios


Los comentarios se han desactivado.
bottom of page